"Nenhum santo já nasceu santo", afirma o cardeal Becciu na abertura do II Congresso de Teologia

07.10.2019

A abertura do II Congresso Internacional de Teologia, que iniciou nesta segunda-feira (7) na PUC-RS, contou com a presença do cardeal Dom Giovanni Angelo Becciu, prefeito da Congregação para a Causa dos Santos, do Vaticano, Dom Giovanni d'Aniello, núncio apostólico no Brasil, Dom Jaime Spengler, arcebispo de Porto Alegre, Dom Leomar Brustolin, bispo auxiliar de Porto Alegre e coordenador geral do evento, Evilázio Teixeira, reitor da PUC-RS e Draiton Gonzaga de Souza, Decano da Escola de Humanidades da PUC-RS.

 

Na conferência de abertura, intitulada "Gaudete et exsultate: uma resposta à aspirações humanas", o cardeal Dom Gioavanni Angelo Becciu refletiu sobre o tema da santidade como um caminho para chegarmos à realização máxima, o céu. "Certa vez me reuni com crianças e disse a elas que todos queremos chegar ao destino final, o paraíso, ou seja, a santidade. E o que devemos fazer? Deus nos deu uma bicicleta para fazer este caminho, que é viver nossa vocação."

 

Religiosos e estudiosos que vieram de longem misturaram-se, no auditório lotado do Prédio 9, a bispos, padres e seminaristas do Rio Grande do Sul. Marcelo Payeras de Sant’Anna, seminarista do Primeiro ano da Filosofia do Seminário Maior de Viamão, destacou a importância de momentos como este para motivar e provocar. “Somos capazes de ter desejos, e desejos elevados. Essa é a grande aspiração do ser humano: o desejo elevado de Deus. Participar de um Congresso sobre a santidade é recordar antes de tudo isso: as pessoas tem no mais profundo do seus desejos o desejo de Deus. Essa mensagem do Papa tão enfatizada pelo cardeal na sua conferência anima e desafia. Anima, pois recorda a grandeza da vocação, antes de tudo batismal, mas também da vocação específica ao presbitério, de saciar a sede de Deus presente nas pessoas. Desafia pois reafirma: 'A messe é grande mas os trabalhadores são poucos', relata Marcelo.

 

Para o cardeal, a exortação publicada pelo papa Francisco é uma expressão de sua própria vocação. "Todo o magistério do papa Francisco e a biografia do bispo Bergoglio nos fazem entender que este texto é um fruto maduro que o sucessor de Pedro traz há muito tempo", afirmou. Quando a plateia respondeu dizendo conhecer a característica dos jesuítas, congregação do bispo de Roma, Dom Becciu lembrou que a exortação à santidade também tem a marca desta tradição, que sempre nos traz reflexões aprofundadas sobre as temáticas. "O papa ainda nos contempla com outra marca sua, uma linguagem muito simples, íntima, quase familiar."

 

 

A política pode ser a mais alta caridade
 

Das sete aspirações humanas contidas na exortação Gaudete et exsultate, destacam-se aquelas que chamam cada um ao protoganismo da construção de uma sociedade melhor e ao discernimento de sua trajetória peculiar neste mundo. Para Dom Becciu, o trajeto à santidade é também um caminho político, que inclusive pode significar a entrada para a vida política. "O grande norte de alguém que ocupa esta responsabilidade, deve ser sempre o bem comum, e não os seus interesses particulares. Os jovens às vezes perguntam se sendo católicos podem exercer um cargo público. Claro, eu respondo. Se fizerem política pelo bem comum estarão exercendo o maior dos deveres de um cristão. A política pode ser o campo da mais alta caridade", afirmou.

 

Francilaide de Queiroz Ronsi, 44, professora de Espiritualidade na PUC do Rio de Janeiro, considerou a fala do conferencista balizadora de nossa fé. "Ele deixou muito claro a necessidade de aprofundar o verdadeiro sentido do nosso batismo, e a partir disso resgatar nossa identidade e o modo que devemos nos comportar no mundo", afirmou. "Nas minhas aulas e no que eu escrevo cada vez mais está presente esta reflexão da necessidade de estarmos atentos ao fato histórico onde estamos inseridos e o que podemos realizar na sociedade por meio de nossa experiência, e o Congresso foi muito feliz na escolha deste tema", concluiu ela.

 

Para conduzir cada um da platéia à reflexão de seu caminho para a santidade, o cardeal Becciu tratou de lembrar a todos do que é essencial: a alegria. "Recordo de um escritor francês, que classificou a tristeza como o maior escândalo dos cristãos. Significa que não crêem na ressurreição de Jesus."

 

 

"Precisamos de modelos de santidade"

 

Combinar nossas fragilidades com a graça de Deus foi outra recomendação do conferencista. Esta mesma caracaterística da imperfeição é marca na vida dos santos oficiais da Igreja, lembra o cardeal, responsável pela canonização da Irmã Dulce, que será realizada no Vaticano, no próximo domingo (13). "Quando examinamos, na Congregação para a Causa dos Santos, a vida dos candidatos à santidade, vimos que não foram perfeitos, não nasceram santos. A conquista se deu no dia dia. O Papa, inclusive, nos pede que sejamos realistas e honestos. Mesmo havendo imperfeições, o processo continua", relatou.

 

Se a santidade é acessível a todos, como nos exorta o papa Francisco, por que o Vaticano segue com seus processos de beatificação e canonização? Dom Becciu responde à questão que ele próprio trouxe ao público que o assistia, atento: "a canonização não é uma imposição da Igreja, é um pedido do povo. Apenas acolhemos ou não uma expressão de santidade que está no meio do povo e cuja notícia chegou até Roma. É o povo de Deus o quer santo. A fama foi tal que chegou à Roma. Até por isso que existe a fase na Diocese e só depois o caso vai para Roma", explicou ele. "A igreja reconhece a importância do culto, do exemplo e da intercessão. A santidade sustenta a esperança dos fiéis apresentando a eles modelos. Embora só Deus realize os milagres, precisamos destes modelos de fé ainda hoje.

 

Para mais informações sobre a programação do Congresso, acesse o site.

 

Abaixo, algumas imagens do Congresso. Os créditos são do seminarista Marto de Souza Vilaza e Magnus Regis.

 

 

 

Please reload

Cúria Metropolitana

(51) 3228.6199

Rua Espírito Santo, 95

Bairro Centro Histórico 

CEP 90010-370 | Porto Alegre | RS

Residência Episcopal

Vigário geral

Chancelaria

Arcebispado

Arquivo histórico

Batistério

Ascom

Tribunal Eclesiático

ACESSE TAMBÉM

Administrativo

Departamento Pessoal

Jurídico

Financeiro

Contabilidade

Fraterno Auxílio

Patrimônio

T.I.

Obras

Servus

O Dia do Senhor

Loja Centro de Pastoral

Centro Administrativo

(51) 3083-7800

Av. Sertório, 305

Bairro Navegantes
CEP 91.020-001 | Porto Alegre | RS

© 2019 por ASCOM para Arquidiocese de Porto Alegre