Formação Discipular: em 5 perguntas, entenda como participar e implantar em sua comunidade

09.01.2020

A Ascom - Assessoria de Comunicação da Arquidiocese de Porto Alegre está produzindo uma série de entrevistas com suas lideranças e as publicará ao longos dos meses de janeiro e fevereiro. Nesta primeira, a entrevista foi com o Padre Ilário Flach, coordenador de Pastoral, que explica a Formação Discipular, fala sobre o seu conteúdo e reflete sobre conquistas e desafios. Em caso de dúvidas sobre a Formação, o contato é o padre Ilário Flach, pelo e-mail iflach11@gmail.com.  

 

Ascom - O que a Arquidiocese objetiva com a Formação Discipular?

Padre Ilário - Chamamos de formação discipular os encontros de formação que seguem o itinerário apresentado no livro de D. Leomar Brustolin: Casa da Iniciação Cristã – catequese com adultos, publicado pelas Paulinas. Prestam-se tanto para iniciar na fé quem ainda não recebeu os sacramentos, como para reiniciar na fé as pessoas que já os receberam sem passar pelo processo catecumenal, ou que vivem afastadas da fé. O processo está em sintonia com as Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora 2019-2003, que nos orientam a formar pequenas Comunidades Eclesiais Missionárias, como espaço privilegiado onde o discípulo de Jesus possa viver a sua fé e ser enviado. Por isso, a Formação Discipular, desde seu início, é realizada num pequeno grupo de pessoas, de preferência, nas casas, com o objetivo de se estabelecer como uma comunidade católica estável.

 

Ascom - Qual a recomendação em relação à melhor época para a realização da Formação Discipular?

Padre Ilário - A melhor época é quando a pessoa se sente chamada. Pode-se iniciar em qualquer época do ano e pode seguir o ritmo de encontros que seja possível. No entanto, seria ótimo se os encontros fossem semanais ou, ao menos, quinzenais. Como na metodologia catecumenal o principal encontro é a celebração litúrgica e não a catequese, para um novo grupo que está se organizando, sugerimos o seguinte calendário:

1 – No Tempo Pascal: realizar os 5 encontros do Pré-catecumenato;

2 – No Tempo Comum: realizar os 18 encontros do Catecumenato

3 – No Tempo do Advento: realizar os encontros de preparação para o Natal propostos pelo Regional Sul 3 da CNBB (com um intervalo em janeiro e fevereiro)

4 – No Tempo da Quaresma, nos dias de semana: realizar os encontros de preparação para a Páscoa; nos finais de semana, os três encontros de Purificação e Iluminação (celebrando juntamente os três escrutínios);

5 – No Tempo Pascal: realizar os três encontros da Mistagogia e concluir com a Celebração de Envio em Pentecostes.

 

Obs. 1 – Quando se trata de preparação para os sacramentos, esse é um ótimo roteiro e deve ser percorrido integralmente. Quando é para a formação de uma pequena comunidade, com pessoas já batizadas, pode acolher novos membros a qualquer momento. Nesse caso, o correto seria que num outro espaço, em separado da comunidade, alguém acompanhasse essa pessoa nos cinco encontros do Pré-catecumenato, realizando com ela o Querigma.

Obs. 2 – É importante que este roteiro não seja uma “camisa de força”, a personalização é uma das características da cultura urbana em que vivemos. Para cada caso, em contato com o pároco, esse roteiro pode ser personalizado para melhor proporcionar a participação.

  

Ascom - Dentro do conteúdo desta formação discipular existem quatro tempos bem definidos. Qual a importância desses quatro tempos para a formação?

Padre Ilário - Os quatro tempos são: (1) Pré-catecumenato, (2) Catecumenato, (3) Purificação e Iluminação, e (4) Mistagogia. 

 

O Catecumenato é o método usado nos primeiros tempos do cristianismo, para a formação de um cristão. Inicia pelo anúncio de Jesus Cristo, que chamamos de Querigma. Esse anúncio de Jesus leva a pessoa a decidir se quer ou não ser discípula Dele. Se a decisão for pelo “sim”, inicia um processo de aprofundamento da fé: o Catecumenato propriamente dito. É o período de catequese, centrado na fé: a história da Salvação, a Igreja, o Creio, os sacramentos, a oração. Não se trata apenas de conhecimento, mas de vivência. 

 

Na Quaresma, tempo de Purificação e Iluminação, buscamos avaliar e configurar nossa vida de acordo com o Evangelho de Jesus Cristo. Isso nos prepara para a celebração dos Sacramentos na Páscoa (Batismo, Eucaristia, Crisma ou, se já recebidos, a Confissão). 

 

O quarto e último tempo, a Mistagogia, tem o sentido de aprofundar nosso caminhar com Jesus Cristo nos Sacramentos, na Palavra, no convívio com o irmão.

  

Ascom - Quais os destaques dessa experiência da Formação Discipular, nos quatro Vicariatos como pontos positivos e desafios?

Padre Ilário - Destaco como positivo, o surgimento de novas comunidades e os testemunhos de quem já se envolveu nesse processo. Diversas comunidades também já relataram que pessoas mais afastadas da Igreja estão se aproximando novamente. Isso é muito bom, porque precisamos de um espaço onde todas as pessoas, sem restrições de idade ou de situação matrimonial possam participar.

 

Quanto aos desafios, posso destacar a conversão de mentalidade: ainda temos a marca de que ser católico, basicamente, reduz-se a participar da missa; a dificuldade que enfrenta toda experiência comunitária num mundo bastante individualista e o anonimato e intimismo que estão presentes em muitas das nossas paróquias e até mesmo em movimentos. Quase como se fosse uma busca por Jesus, mas sem o Povo de Deus. Sublinho ainda uma certa acomodação. Temos uma tendência natural a continuar fazendo as coisas como sempre foram feitas. Ainda não nos demos conta o suficiente de como essa mudança de época, que o Documento de Aparecida nos acena, atinge nossa pastoral.

 

Ascom - Como cada comunidade tem a sua realidade, as suas peculiaridades, qual a sua definição para a importância da Formação Discipular nas comunidades em geral?

Padre Ilário - Ela é uma premissa. Para ser Comunidade Cristã, esta deve ser formada por discípulos de Jesus. Isso é mais profundo do que ser simpatizante ou mesmo membro da Igreja. É um movimento duplo: quanto mais discipular for a comunidade, mais ela forma discípulos de Jesus; quando mais os membros da comunidade forem discípulos de Jesus, mais cristãs serão as comunidades. Ambos crescem juntos.

 

 

 

 

Please reload

Cúria Metropolitana

(51) 3228.6199

Rua Espírito Santo, 95

Bairro Centro Histórico 

CEP 90010-370 | Porto Alegre | RS

Residência Episcopal

Vigário geral

Chancelaria

Arcebispado

Arquivo histórico

Batistério

Ascom

Tribunal Eclesiático

ACESSE TAMBÉM

Administrativo

Departamento Pessoal

Jurídico

Financeiro

Contabilidade

Fraterno Auxílio

Patrimônio

T.I.

Obras

Servus

O Dia do Senhor

Loja Centro de Pastoral

Centro Administrativo

(51) 3083-7800

Av. Sertório, 305

Bairro Navegantes
CEP 91.020-001 | Porto Alegre | RS

© 2020 por ASCOM para Arquidiocese de Porto Alegre